Chávez se fortalece; oposição contesta - América Latina en Movimiento
ALAI, América Latina en Movimiento

2004-08-16

Venezuela

Chávez se fortalece; oposição contesta

Gilberto Maringoni
Clasificado en:   Política: Politica, Democracia, Elecciones, |   Social: Social, |
Disponible en:   Portugues       
Compartir:


Uma chuva fina, porém constante, caiu sobre Caracas durante toda a madrugada de segunda feira. As ruas dos bairros de classe média estavam praticamente vazias e pouquíssimos táxis circulavam. Mas na avenida Urdaneta, em frente ao palácio de Miraflores e em vários bairros populares, o clima era outro. Milhares de pessoas, já encharcadas, começavam a comemoração de uma vitória que se anunciava nas horas anteriores.

Eram exatamente 3:47 hs., quando o presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Francisco Carrasquero, em rede nacional de rádio e televisão, anunciou o primeiro resultado parcial das apurações do referendo revogatório do mandato do presidente Hugo Chávez. Foi um pronunciamento curto e seco de menos de dois minutos:

- Apurados 94,49% do total, a opção "Não" obteve 4.991.483 votos, correspondentes a 58,25% da totalidade v´lida e a opção "Sim" alcançou 3.576.517 votos, chegando a 41,74% do número de eleitores. Muito obrigado".

O visível ar de cansaço de Carrasquero, um respeitado jurista, se contrastou com a explosão de alegria das ruas. Minutos depois, o próprio Chávez subiu ao palanque montado no meio da pista para comentar os números: "Aqui não há ganhadores ou perdedores, só vencedores. Ganham os que votaram pelo ´não´ e ganham os que votaram pelo ´sim´; ganha a democracia venezuelana". E aproveitou pra fustigar mais uma vez o governo norte-ameicano. "Que isso sirva de aviso à Casa Branca, para que respeite a soberania de nosso povo".

Chávez se fortalece imensamente com os resultados. É sua oitava vitória eleitoral consecutiva, desde que se sagrou presidente em dezembro de 1998. Com um dado a mais: sua aceitação cresceu, tanto em número absoluto de votos (3,67 milhões naquela época), quanto em termos percentuais (57% há seis anos). E ganha musculatura internacionalmente, por mostrar ser possível seguir governando sem contar com o beneplácito de Washington.

Inconformismo

Durante o dia de segunda-feira, vários membros da oposição revezaram-se nos programas de entrevistas das redes privadas de televisão, para externar seu inconformismo com os resultados. O líder do MAS (Movimiento al Socialismo), Felipe Mujica alegou fraude e seqüestro dos resultados. Outros, como o ex- presidente da PDVSA (Petróleos de Venezuela), Luis Giusti, dizia que "a instabilidade continua", pois Chávez "não pode governar contra metade do país". E não faltaram vozes a tentar desqualificar o próprio CNE como parcial e pró-chavista.

A esses, o deputado do MVR (Movimento Quinta República, apoiador do governo), Juan Barreto, respondeu: - É curioso. Em junho, quando o CNE anunciou que iria haver referendo, apesar de inúmeras comprovações de fraudes no processo de coleta de assinaturas, nenhum deles levantou uma única reclamação.

O próprio ex-presidente norte-americano Jimmy Carter, proprietário da Organização Não Governamental Centro Carter, presente como observador, reconheceu ser o processo eleitoral venezuelano "mais limpo do que o da Flórida no ano 2000, quando se consagrou a vitória de George W. Bush". É bem possível que aumente a tendência de fragmentação da oposição, diante dos resultados da consulta popular.

Filas e demora

No entanto, se no aspecto da lisura o processo de votação de domingo mostrou-se bastante impermeável a fraudes, o mesmo não se pode falar da metodologia eleitoral. Filas imensas formaram-se desde às seis da manhã em praticamente todos os locais de votação. Eleitores, muitos deles idosos, tiveram de esperar por mais de seis horas nas filas, o que levou o pleito a se prolongar até a meia noite.

Apesar disso e apesar do voto ser facultativo, ninguém arredava pé de seus postos. "Quero participar desse momento histórico", "espero quanto tempo for, debaixo de sol ou chuva" diziam vários eleitores.

A polarização extrema e a crescente politização da sociedade fez destas as eleições mais disputadas da história venezuelana. Os atrasos nas filas têm algumas causas bem objetivas: o aumento de mais de 20% do número de eleitores, a queda acentuada da abstenção, ao redor de 40% nos últimos dez anos e o fato da distribuição das mesas não ter sido a melhor possível. Colégios com até 9 mil eleitores contavam com apenas quatro mesas de votação, o que tornou moroso o processo, apesar das urnas automatizadas.

"Pero, estamos haciendo um revolución"

"Não me surpreende essa lentidão", afirmou o escritor uruguaio Eduardo Galeano, presente como observador internacional. "Temos uma participação política inédita da população, que se confronta com um sistema eleitoral ainda organizado segundo os velhos métodos burocráticos e viciados existentes por 40 anos na Venezuela", diz ele, que se surpreendeu com o "ar de graça e felicidade estampados nos rostos das pessoas ao votar".

Por trás de tudo, há também uma crônica desorganização, parte da cultura geral do país. Uma crise econômica e institucional de mais de 20 anos e uma informalização grande no mundo do trabalho geram comportamentos de desleixo em várias esferas da vida nacional. Compromissos pessoais são descumpridos sem grande preocupação e horários marcados são muito mais flexíveis que no Brasil (onde a pontualidade geral também está longe de ser britânica).

Quando indagados sobre essas características, muitos venezuelanos têm hoje um resposta na ponta da língua, como o assessor presidencial Maximilien Arvelaiz: - Si, és verdad. Pero, estamos haciendo una revolución. Y ustedes? Más información en:

* Español:

Entre Venezuela y Nadalandia (Eduardo Galeano) [2004-08-18] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6598

Venezuela cambió para siempre (Aram Aharonian) [2004-08-18] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6597

El "Plan Sombras" de la CIA está en marcha en Venezuela (J. Martín Guédez) [2004-08-18] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6600

Venezuela: Ocaso del periodismo-fraude y de las encuestas fuleras (Hernán Uribe) [2004-08-18] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6599

PROVEA felicita al pueblo venezolano (PROVEA) [2004-08-17] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6595

Venezuela: La tensa calma que deja el resultado del referéndum (Fernando Campa) [2004-08-17] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6594

De pronto Venezuela nos da el ejemplo (Raúl Wiener) [2004-08-17] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6601

Venezuela: Chávez no se va (Ion Arregi) [2004-08-16] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6585

De pueblos, gobiernos y de las luchas que vendrán (Daniel Campione) [2004-08-16] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6572

Creer en el pueblo también rinde dividendos (Rubén Armendáriz) [2004-08-16] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6571

Chávez gana referendo (Claudia Jardim) [2004-08-16] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6570

Referéndum y Pueblos Indígenas (Nilo Cayuqueo) [2004-08-14] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6568

Venezuela NO está sola! (Víctor Hugo Jijón) [2004-08-14] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6567

Será mi NO admisible? (Manuel Brito) [2004-08-14] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6573

Chávez se queda (Angel Guerra Cabrera) [2004-08-13] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6566

Maisanta superó a Ayacucho, o cómo radicalizar la Revolución (Omar Gómez) [2004-08-13] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6569

* Portugués

Chávez ganha referendo (Claudia Jardim) [2004-08-16] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6575

Venezuela: Chávez se fortalece; oposição contesta (Gilberto Maringoni) [2004-08-16] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6579

Oposição falsifica anúncio de suposta derrota de Chávez (Claudia Jardim) [2004-08-15] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6578

Referendo decidirá futuro do continente [2004-08-14] http://alainet.org/active/show_text.php3?key=6574

http://alainet.org/active/6579&lang=es




[Página de búsquedas]  [Página principal]  [Main Page]  [Regresar]
Quienes somos | Área Mujeres | Minga Informativa de Movimientos Sociales