ALAI, América Latina en Movimiento
2013-04-15

Venezuela

Golpe de Estado, golpe da vida: depoimentos de 11 de abril

Leonardo Wexell SeveroVinicius Mansur
Clasificado en: Política: Politica, Democracia, Elecciones, Militar, |
Disponible en:   Portugues       
Compartir:


Quais são as lembranças dos chavistas de 11 de abril de 2002? O que os faz seguir apoiando o projeto de Chávez 11 anos depois? 
 
Confira os depoimentos colhidos entre os milhões de chavistas que foram às ruas de Caracas para o fechamento da campanha de seu candidato nesta quinta-feira, também 11 de abril.
 
Após serem atingidos por um golpe de estado em 11 de abril de 2002, milhares de chavistas foram às ruas de Caracas para reconduzir Hugo Chávez à presidência da Venezuela. Nesta quinta-feira, em um 11 de abril 11 anos depois, os chavistas, recém-atingidos por um golpe da vida, voltaram às ruas de Caracas em milhões para encerrar a campanha eleitoral de seu candidato, Nicolás Maduro.
 
Quais são as lembranças do 11 de abril de 2002? O que os faz seguir apoiando o projeto de Chávez 11 anos depois? Confira os depoimentos colhidos pela reportagem.  
 
Foto: Vinicius Mansur
 
Erica Castro, estudante de Turismo,17 anos, disse não se lembrar do golpe de 2002, mas credita aos pais o estímulo a participação política. “Me ensinaram ver as coisas boas e más da revolução. E acho o chavismo a melhor opção.” 
 
Já sua mãe, Rosa Castro, 51 anos, deu os créditos à Chávez. "Vim para respaldar o presidente, que está aqui! No meu coração, na minha alma, nas minhas vísceras, como dizia ele. Em minha pele, nesta tatuagem que tenho, no meu sentimento. Eu vou apoiá-lo até o dia que eu morra. Porque ele não está morto. Ele se vai quando morra eu. E ficará entre os demais.”
 
Foto: Joka Madruga
 
Rosa Mendoza, liderança comunitária, 57 anos:
 
“Nos meus 57 anos, guardo recordações muito más. As daquele 11 de abril foram terríveis com toda a perseguição e repressão que se seguiu por parte dos golpistas contra os apoiadores do presidente. É importante lembrar, também, que muitas pessoas foram enganadas, estimuladas pela distorção e desinformação dos meios de comunicação. De lá para cá nosso país avançou muito, as pessoas despertaram e agora temos essa união que nos faz cada vez mais fortes. Então, muito mais do que garantir água, luz, educação e saúde, o que o processo revolucionário nos deu foi dignidade.”
 
Foto Leonardo Wexell Severo
 
Bismark Vargas, operário da construção civil: 
 
“A mobilização e a união do nosso povo, essa foi a maior conquista que nos deixou o presidente Chávez. Nosso voto será em Maduro para continuar avançando esse processo, para seguir transformando o país.”
 
Foto: Leornardo Wexell Severo
 
Gleiver Pino, técnico em telecomunicação:
 
“A união do povo foi o maior legado do presidente Chávez. Agora nos cabe seguir juntos, caminhando rumo ao socialismo.”
 
Foto: Joka Madruga 
 
Ramona Helena Martines, 69 anos:
 
“Por mais que Chávez tenha trabalhado de forma incansável pela terceira idade, garantindo o pagamento de pensões e valorizando conforme o aumento do salário mínimo, o maior bem que nos fez foi a Constituição.  São os nossos maiores direitos, que me acompanham para onde vou. Sempre comigo”
 
Foto: Joka Madruga
 
Maria Conceição Herrena, aposentada:
 
“Tenho 82 anos, sou madrilenha e vivo há mais de 40 na Venezuela. Vi o que foi a tentativa de golpe contra Chávez no 11 de abril de 2002, assim como lembro da tragédia do governo fascista de Franco na Espanha. Capriles, esse menino riquinho, me lembra ele. ”
 
- Leonardo Wexell Severo e Vinicius Mansur, de Caracas, Venezuela. comunicasul  
http://comunicasul.blogspot.com/2013/04/golpe-de-estado-golpe-da-vida.html
 


http://alainet.org/active/63281&lang=pt




[Página de búsquedas]  [Página principal]  [Main Page]  [Regresar]
Quienes somos | Área Mujeres | Minga Informativa de Movimientos Sociales