“A autonomia zapatista é um exemplo para toda a humanidade” - América Latina en Movimiento
ALAI, América Latina en Movimiento

2013-01-09

Mexico

Pesquisador mexicano Peter Rosset fala sobre a atuação política do EZLN

“A autonomia zapatista é um exemplo para toda a humanidade”

José Francisco Neto
Clasificado en:   Política: Politica, Militar, |   Social: Indigena, |
Disponible en:   Portugues       
Compartir:


12 mil zapatistas tomaram as ruas do México no dia 21 de dezembro de 2012.
Foto: Reprodução
 
“Nós jamais fugimos, por mais que os veículos de todo o espectro das comunicações tenham tentado enganar todos vocês.” A frase faz parte do comunicado divulgado no dia 30 de dezembro de 2012 pelo Exército Zapatista de Liberação Nacional (EZLN), uma semana após os seus membros ocuparem as principais cidades do México, no dia 21. Elas já haviam sido tomadas pelo EZLN em 1994 no levante armado que declarou guerra ao governo do então presidente Carlos Salinas de Gortari.
 
No “dia em que o mundo ia acabar”, 12 mil mulheres, homens, jovens, idosos e crianças marcharam em silêncio pelas ruas e praças do México. “O dia 21 de dezembro de 2012 marca o fim de um ciclo longo do calendário maia e o início de um novo ciclo, com a profecia de que trará importantes mudanças para a humanidade”, esclarece Peter Rosset, pesquisador do Centro de Estudios para el Cambio en el Campo Mexicano (CECCAM) e integrante da Via Campesina do México.
 
Rosset acompanhou a marcha dos zapatistas e destaca a importância da participação da juventude no movimento. “É uma juventude forte, presente, que já não olha para baixo, que cada vez mais ocupa cargos de direção. A juventude foi muito forte e também muito presente no dia da marcha”, disse.
 
Em entrevista ao Brasil de Fato, Rosset fala sobre a atuação política do EZLN, as principais conquistas do movimento e a relação entre a cultura maia e os zapatistas.
 
Brasil de Fato: Desde que foi fundado, quais as conquistas mais importantes do EZLN?
 
Peter Rosset - O EZLN foi fundado uns dez anos antes do levante de 1994, como um braço armado das Forças de Libertação Nacional (FLN). Sua explosão no cenário nacional e internacional em 1º de janeiro de 1994 restaurou a esperança da esquerda mundial desmoralizada pela queda do muro de Berlim e o aparente fim da era das guerrilhas latino-americanas. Inverteu a política mexicana, abrindo o espaço da disputa política mais além do PRI.
 
Mas talvez suas conquistas mais importantes residam na construção e na consolidação da autonomia em seus territórios sob o autogoverno, sobre os eixos da educação autônoma, da saúde autônoma, da administração autônoma da justiça e da organização autônoma da produção através de sociedades e cooperativas de produção e agroecologia, as cooperativas de transporte de pessoas e bens, os Municípios Autônomos Rebeldes Zapatistas e as Juntas de Bom Governo, que se baseiam na direção coletiva e rotativa. A autonomia zapatista é um exemplo para toda a humanidade.
 
O pesquisador e membro da Via Campesina Peter Rosset
 
Desde maio do ano passado, os zapatistas não iam às ruas das cidades de Chiapas. A "volta" (já que muitos diziam que o EZLN não existia mais) dos zapatistas tem a ver com a data do dia 21?
 
O dia 21 de dezembro de 2012 marca o fim do ciclo longo do calendário maia e o início de um novo ciclo, com a profecia de que trará importantes mudanças para a humanidade. Os zapatistas escolheram esse dia para fazer tomadas simbólicas – em silêncio total – das cidades chiapanecas de San Cristóbal de las Casas, Ocosingo, Palenque, las Margaritas e Altamirano. A mensagem é: “os povos maias e os zapatistas ainda existem e aqui estão, e com força”.
 
Qual a relação entre a cultura maia e os zapatistas?
 
As bases do EZLN são, em sua grande maioria, povos maias. E o pensamento zapatista é uma mistura entre a visão de mundo dos maias, o pensamento marxista e o pensamento revolucionário latino-americano.
 
Como o senhor vê a participação dos jovens no movimento?
 
Uma das grandes conquistas do zapatismo tem sido a formação de uma juventude rebelde nascida depois do levante de 1994, uma juventude produto das escolas autônomas zapatistas. É uma juventude forte, presente, que já não olha para baixo, que cada vez mais ocupa cargos de direção. A juventude foi muito forte e também muito presente no dia da marcha.
 
Houve inúmeras fraudes na eleição de Peña Nieto, que não foi reconhecido pelo povo mexicano. Por outro lado, o candidato de "esquerda", Andrés Manuel López Obrador, que chegou a tentar uma reconciliação com o EZLN, não foi apoiado pelos zapatistas. Qual opinião os zapatistas têm em relação ao Obrador? Ele ainda seria uma opção ou o EZLN defende a bandeira da "Outra Campanha"?
 
Para entender que opinião os zapatistas têm do PRD e de López Obrador, primeiro é necessário enxergá-los desde uma perspectiva chiapaneca. O governador atual foi eleito a partir de dois partidos, o velho PRI e o Verde Ecológico, que não tem nada de verde nem de ecológico. O governador anterior era militante do PRI, mas quando não lhe deram a candidatura desse partido pulou ao PRD, a suposta esquerda institucional e trouxe consigo 60% do PRI do estado. Ou seja, quem governava era o PRD, mas eram PRlistas. E o governador anterior a esse ganhou com uma coalizão entre o PRD (esquerda) e o PAN (direita troglodita). E todos teriam administrado a guerra de contrainsurgência e os paramilitares contra as comunidades zapatistas. Um dos autores intelectuais do massacre de Acteal é o assessor de López Obrador e outro está no novo governo nacional de Peña Nieto. Assim, há de ficar bem claro porque os zapatistas dizem que todos os partidos e todos os políticos são iguais.
 
O movimento conta com o apoio da população mexicana?
 
O movimento zapatista conta com muita simpatia entre a população mexicana, mas nos últimos anos de “silêncio zapatista”, dedicados à consolidação da retaguarda das comunidades autônomas e sua consequente ausência dos meios de comunicação, tem-se generalizado uma ideia errada de que os zapatistas já não existem. Algo que foi rebatido no dia da marcha com o impactante “aqui estamos”.
 
08/01/2013
 
http://www.brasildefato.com.br/node/11486
 


http://alainet.org/active/60794




[Página de búsquedas]  [Página principal]  [Main Page]  [Regresar]
Quienes somos | Área Mujeres | Minga Informativa de Movimientos Sociales