"O Brasil não é indiferente que acontece na Venezuela" - América Latina en Movimiento
ALAI, América Latina en Movimiento

2013-01-07

Brasil,Venezuela

"O Brasil não é indiferente que acontece na Venezuela"

Darío Pignotti
Clasificado en: Politica, Social,
Disponible en:   Portugues       


Brasília - Do seu jeito. Dilma Rousseff não é dada à diplomacia presidencial cultivada com brilho por seu antecessor, o por duas vezes presidente Luiz Inácio Lula da Silva que, se continuasse no poder, possivelmente já teria formulado declarações sobre seu “companheiro” Hugo Chávez e até viajado à Cuba para saber de sua convalescência depois de sua quarta operação contra um câncer, no dia 11 de dezembro. O estilo de Dilma é mais sóbrio. Praticamente não se pronunciou nos últimos dias e o pouco que disse sobre a conjuntura venezuelana foi através de seus colaboradores. Esta atitude não deve ser confundida com desinteresse pelo futuro do projeto bolivariano. Muito pelo contrário. A presidenta concede a Caracas um lugar alto entre suas prioridades internacionais e recebe de seus assessores relatórios diários sobre a situação política e a saúde de Chávez.

De uma praia da Bahia, onde passa suas férias, Dilma instruiu seu conselheiro internacional, Marco Aurélio García, para que viaje à Havana onde, no dia 31 de dezembro foi recebido por “altas autoridades” venezuelanas e cubanas, segundo o bem informado site Opera Mundi.

Transcendeu, em outros meios, que Rousseff telefonou aos colegas sul-americanos para avaliar o presente e o futuro venezuelanos, e não se pode descartar que tenha mantido consultas com Cristina Fernández, com quem provavelmente se encontrará neste mês, como ambas combinaram em dezembro, durante uma reunião de três horas celebrada na residência oficial, o Palácio da Alvorada, ao finalizar a cúpula do Mercosul na qual foi formalizado a adesão de Caracas como quinto membro pleno. Há sintonia entre Brasília e Buenos Aires no momento de manifestar o compromisso com a integração regional e também na execução ações concretas e eficazes.

Isso ficou demonstrado em junho, quando Dilma e Cristina, em um mesmo movimento, suspenderam o golpista paraguaio Federico Franco do Mercosul e aceitaram a incorporação de Hugo Chávez, consumada em dezembro.

O ingresso venezuelano ao bloco foi promovido por Lula e Néstor Kirchner em 2005 e questionado por forças conservadoras, como o Partido da Socialdemocracia Brasileira (PSDB), de Fernando Henrique Cardoso.

De 2003 para cá, com a chegada do PT ao Palácio do Planalto, a aproximação com a Venezuela é um dado característico da nova política brasileira pós-FHC (1995-2002). O ex-presidente e esfinge da direita brasileira, atualmente dirige uma fundação onde são recebidos de portas abertas dirigentes anti-chavistas e expoentes de entidades embandeiradas com a “liberdade” made in Miami.

No PT, entendem que é preciso blindar a região para evitar que a Venezuela titubeie, apesar da comoção causada pela doença de seu presidente e o fantasma da desestabilização agitado pela oposição. “A Celac (Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos), a Unasul, o Mercosul e todos os governos da região, começando pelo do Brasil, acompanham atentamente a situação, e não permitirão nenhuma ameaça à soberania popular na Venezuela”, declarou ao Página/12 Valter Pomar, membro da direção nacional do PT.

“Prefiro apostar que a direita venezuelana pense duas vezes antes de partir para uma provocação que, nestes momentos de apreensão e dor, possam gerar uma reação espontânea da população com consequências que certamente são difíceis de prever... Acredito que a direita venezuelana tem que resolver um dilema: ou entende que o chavismo é um processo histórico e aceita ser oposição dentro do marco institucional, ou cai na conversa de que o chavismo é um acidente que depende de seu líder e embarca em uma aventura golpista”, afirma Pomar, um dos quadros mais influentes na Secretaria de Relações Internacionais do PT.

As interlocuções do PT com o chavismo, assim como sua velha amizade com o Partido Comunista Cubano são ativos políticos que potencializam a influência de Dilma Rousseff diante do atual quadro da situação venezuelana. Sempre discreta, a presidenta soube articular uma política externa binária.

No plano institucional atua o chanceler Antonio Patriota, um diplomata de carreira, bem conceituado tanto em Washington quanto na nomenclatura do Palácio Itamaraty, sede do Ministério de Relações Exteriores. Enquanto isso Marco Aurélio García continua em seu escritório do Palácio do Planalto, onde chegou há dez anos, desempenhando-se como um embaixador da presidência e, em algum grau, como emissário oficioso do PT.

Foi nessa condição que García viajou à Cuba na semana passada. A missão de García foi transmitir o respaldo do governo brasileiro à continuidade do chavismo, seja qual for a evolução da terrível doença de seu líder e demonstrar simpatia pelo vice-presidente Nicolás Maduro.

A tese do PT é a mesma e assim resumiu o dirigente Pomar: “O chavismo não depende da presença direta de Chávez... Obviamente sua doença lança vários desafios sobre o funcionamento do chamado chavismo, como o de criar novas lideranças públicas, algo que não é impossível de fazer e o próprio Chávez deu uma ajuda ao indicar Maduro”.
 
- Darío Pignotti (@DarioPignotti)
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21476
 


http://alainet.org/active/60764




[Página de búsquedas]  [Página principal]  [Main Page]  [Regresar]
Quienes somos | Área Mujeres | Minga Informativa de Movimientos Sociales